Notícias

 

3 Perguntas para Fred Carvalho HOTELIERNEWS

 

Por Lucas Barbosa

Fred Carvalho é um grande entusiasta das artes, as quais aprendeu a apreciar desde muito cedo. Desenho, cinema, teatro e fotografia fazem parte dos seus hobbies e, em alguns momentos, até de sua vida profissional. Por isso, o diretor de Relacionamento com Investidores da Samba Hotéis tem seus passatempos voltados para essas atividades. Como indicação, deixa os títulos Os 100 melhores contos de humor da literatura universal, de Flávio Moreira da Costa; As seis lições, de Ludwig von Mises; e O Andar do Bêbado, de Leonard Mlodinow. O executivo também gosta de música, principalmente instrumental.

Carvalho é graduado em Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário de Belo Horizonte, tendo atuações também como designer, produtor gráfico, ilustrador e diretor de vídeo. Ele também é fundador da Laus Comunicação e Cultura. Na Samba Hotéis, tem experiência de mais de seis anos. Na sessão de hoje (10), o Hotelier News recebe o profissional, que aborda diversas questões relacionadas a estratégias na retomada da hotelaria. Confira!

Hotelier News: Como a Samba Hotéis tem atuado no sentido de driblar a instabilidade trazida pela pandemia e fomentar novos negócios?

Fred Carvalho: A pandemia foi e ainda é um dificultador em muitos pontos, mas sabendo enxergar uma chave mestra para abrir caminhos aonde antes a Samba Hotéis não entraria. Eu explico: trabalhamos com hotéis onde a gestão estava ineficiente, com vários gargalos, desafios em relação a budget e controle de custos como lugar comum.

Pois bem, com a crise sanitária e consequente crise econômica, muitos hotéis com grandes bandeiras entraram em uma realidade onde as taxas, por vezes cobradas em dólar, ficam pesadas demais ou mesmo os padrões da rede agora se tornaram fora da realidade para o momento. Neste ponto, várias oportunidades se abriram para uma gestão enxuta, na qual o padrão principal é dar lucro para os investidores oferecendo um produto minimamente viável e com melhor custo-beneficio para o hóspede. É a nossa praia e é onde conseguimos mostrar nosso valor. Dessa forma, conseguimos passar por 2020 e 2021 com mais hotéis e novas oportunidades de ampliação do portfólio Samba Hotéis para 2022.

HN: A rede busca atingir 32 operações até 2025. Você acredita que os impactos econômicos provocados pela crise sanitária podem atrasar esse processo?

FC: Na verdade, pensando que o pior da crise sanitária já ficou para trás, esse horizonte ficou ainda mais estável e nítido. A diretoria Samba, junto do CEO Guilherme Castro, tem um trabalho de análise e projeções de resultado muito assertivo. Os ajustes que aprendemos com essa crise mundial foram excelentes para apurarmos ainda mais nesse aspecto. Outro diferencial importante nesta realidade mais instável é nossa estrutura mais enxuta na qual, se for preciso, a ordem é errar rápido e pivotar, movimento que está em nossa mentalidade desde a ideia inicial.

HN: Como a crise afetou a relação com os investidores e como a gestão e operações foram alinhadas mediante as mudanças do pós-pandemia?

FC: No momento mais crítico da pandemia, fechamos as torneiras e aproveitamos todas as oportunidades oferecidas pelo governo. Esta movimentação foi amplamente discutida e alinhada com os conselhos fiscais de cada hotel. A comunicação aberta e franca com os investidores foi fundamental. Os grupos de WhatsApp com o conselho foram mais alimentado de informações e detalhamento do realizado, para tranquilizar e ao mesmo tempo, tornar transparente que o momento era de previsão muito reduzida, onde falar de 2, 3 meses à frente era quase um tiro no escuro.

O básico muito bem feito, redução de custos e equipe, além adaptações principalmente relativas a restaurante, café da manhã, evitando áreas comuns e simultaneamente, possibilitando menor custo de produção, foram pontos que nos levaram adiante. Minimizamos a queda de ocupação com a prospecção de novos públicos relacionados aos setores essenciais, que não pararam.

Esta análise constante e gradual aumento dos serviços oferecidos mediante demanda nos colocou em movimento para a realidade de 2022, que está muito mais otimista, porém atentos a qualquer movimento contrário. A informação técnica disponibilizada aos investidores, assim como resposta rápida às dúvidas, segue como prioridade.

Os investidores são um grupo muito heterogêneo e por este motivo passamos informação e não apenas dados. Informação tranquiliza e a forma de passá-la adiante em momentos de stress é um ponto que a Samba se destaca. O sorriso vem de fábrica e empatia é um ativo que temos em larga escala.

(*) Crédito da foto: Divulgação/Samba Hotéis

Leia a reportagem completa no site da Revista Hoteliernews, clicando aqui.

Pin It on Pinterest

Share This